Termina a fase 2 do Rádio Ambiente 21 - projeto piloto do Programa Juventudes do SESC São Paulo

De setembro a novembro de 2013, o Cala-boca já morreu esteve nas unidades do SESC Bom Retiro e Campinas, vivenciando com adolescentes e jovens a partir dos 13 anos, processos de produção coletiva de comunicação em rádio, na perspectiva da educomunicação.

Não é nada fácil decidir pela própria cabeça,num tempo marcado por vozes e imagens que nos fazem crer que o bom é nos diferenciarmos uns dos outros pelas coisas que possuímos e pelas etiquetas e marcas que usamos.

Contando com a participação ativa dos mediadores do CBJM, os envolvidos no Projeto Rádio Ambiente 21 começaram a entender, a partir dos momentos de produção de pequenos programas de rádio, que é possível viver sem ter chefe ou patrão, bem como entender como se constroem relações sociais, através das considerações sobre o que falavam e faziam em seus pequenos grupos.

Aos poucos, ao mesmo tempo, puderam compreender que tecnologia pode ser uma ferramenta valiosa para promover, em primeiro lugar, a escuta do que sai de suas bocas, antes de querer que o discurso entre nos ouvidos de um outro. 

Com o passar dos encontros, foi ficando mais evidente que os danos ambientais decorrem de ideias-lixo que trazemos em nossas cabeças, como competir o tempo todo, desejar ser sempre campeão, heroi, líder ou protagonista que, movido pela vaidade, se coloca à frente dos outros para definir o que a maioria deve fazer com suas vidas...

Esses processos, muito mais importantes que os produtos, ilustram nossa tese de que Educomunicação é sinônimo de Educação pelos meios de comunicação.


Brasileiros conhecendo brasileiros na IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente

Como é difícil conversar quando não se fala a mesma língua!
Como é difícil formular perguntas quando não se tem ideia de que existem outros jeitos de viver!

Esta entrevista, realizada por Samira e Pedro Lucas com Aradirá e uma adolescente indígena,  todos integrantes da delegação do Rio de Janeiro,  ilustra o potencial da comunicação coletiva na perspectiva da educomunicacão, especialmente para as aulas de português, história e geografia.

Por esses motivos afirmamos que Educomunicação é sinônimo de Educação pelos Meios de Comunicação.

Fase nacional da IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente

Delegados de 11 a 14 anos começaram as atividades de produção coletiva de comunicação, na perspectiva da Educomunicação.

Esperamos que essas crianças e adolescentes, representantes dos 27 estados brasileiros, saibam que todos têm direito não só de receber informação, mas, principalmente, de produzir comunicação. Que entendam também que, do seu jeito, com suas próprias palavras, eles podem fazer cobertura jornalística dos eventos que acontecem em suas escolas.

Aqui você ouve uma entrevista da delegação paulista com a adolescente Márcia Vieira, do Quilombo Sapatu, que fica no Vale do Ribeira, em São Paulo.


Juventude e Meio Ambiente

Desde 2003, ano de realização da I Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, vimos acompanhando muitos jovens ativamente envolvidos em ações visando a sustentabilidade em escolas de todo território nacional.

As três entrevistas abaixo ilustram um pouco dessa história

Alex Wanutti Silva Carvalho - de delegado a facilitador

Leonardo - de observador a facilitador

Regina Chaves - de delegada a facilitadora


Conheça os facilitadores da Oficina de rádio na IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente

De 17 a 22 de novembro/2013, aconteceu, em Luziânia - GO, a formação de jovens de 18 a 29 anos, que vão atuar como faciltadores das atividades programadas para os delegados participantes da fase nacional da IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente.

O Projeto Cala-boca já morreu, nesse período, foi responsável pela formação em Educomunicação. De forma prático-teórica, estivemos com seis jovens interessados em aprender a produzir comunicação de forma coletiva. Cada um deles será responsável por um grupo de 12 delegados de 11 a 14 anos que optarem por aprender a ser repórter de eventos de suas escolas.

Aqui você ouve um dos exercícios vivenciados pelo grupo, cujo objetivo era entrevistar um dos participantes, a partir da vontade de conhecer e estreitar vínculos com seus pares.

Anderson - Paraná


Gabriel - Rio Grande do Sul


Mayara - São Paulo


Nadson - Bahia


Ronaldo - Tocantins


Thamyres - Alagoas

Considerações de jovem francês sobre Educomunicação e produção coletiva de rádio

Depoimento gravado durante as atividades de Educomunicação sob responsabilidade do Projeto Cala-boca já morreu, na CONFINT - Conferência Internacional "Vamos cuidar do planeta", realizada no Brasil, em 2010

Depoimento de professor da Guiana Francesa sobre produção de rádio na perspectiva da Educomunicação

Depoimento gravado após a formação de facilitadores realizada pelo Projeto Cala-boca já morreu, na CONFINT - Conferência Internacional "Vamos cuidar do planeta", em 2010, no Brasil

Oficinas do Cala-boca já morreu na IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente

Nesta manhã do dia 18 de novembro, apresentamos os objetivos das duas atividades sob nossa responsabilidade, bem como o perfil de facilitadores de que precisamos para atuarem junto aos delegados de 11 a 14 anos que virão para a Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, na semana que vem.

Produção coletiva de rádio

Isis Lima Soares apresentando a oficina de rádio. Foto: Mariana kz
O que queremosformar repórteres para a realização de cobertura jornalística de eventos locais, especialmente os que acontecem nas escolas espalhadas pelo Brasil.
Perfil dos facilitadores de que precisamos: jovens que saibam da força dos meios de comunicação (rádio, TV, jornais etc), curiosos, interessados em divulgar questões socioambientais sob a ótica de pequenas localidades






Fotografia
Mariana Manfredi apresentando a oficina de fotografia. Foto: Mariana kz
O que queremos: aguçar o olhar de jovens para mostrar em imagem o que acontece em eventos realizados nas escolas.

Perfil dos facilitadores de que precisamos:pessoas curiosas, sensíveis, que queiram aperfeiçoar a capacidade de divulgar notícias através da fotografia digital.






Tudo vai acontecer na prática
Durante a Conferência, de 23 a 27, os delegados, sob os cuidados desses facilitadores, vão ser responsáveis pela cobertura jornalística do evento, contando para quem não pôde vir à Conferência tudo o que aqui estiver acontecendo, em forma de entrevistas em áudio e fotos.

Formação em Educomunicação na IV Conferência Nacional Infanto- Juvenil pelo Meio Ambiente


Começou no dia 18 de novembro de 2013, o processo de formação dos jovens facilitadores da IV Conferência Nacional Infanto- Juvenil pelo Meio Ambiente, promovida pelo MEC - Ministério da Educação e Cultura, e MMA - Ministério do Meio Ambiente, entre 23 e 28 de novembro. 

O Projeto Cala-boca já morreu, como vem acontecendo desde 2003, mais uma vez realiza a formação em Educomunicação.

Vamos nos empenhar para formar pessoas mais esclarecidas sobre o poder da comunicação na difusão de ideias, sentimentos e valores.

Esperamos contribuir para os jovens facilitadores entendam que:

- Educomunicação é sinônimo de Educação pelos Meios de Comunicação

- as tecnologias digitais permitem divulgar fatos importantes, nem sempre cobertos pela grande mídia

- todas as pessoas podem ser repórteres locais.

- produzir comunicação é também um modo de cuidar bem do Brasil.

Ouça aqui o áudio da abertura

Passarinhos voam...

O Cala-boca já morreu é um projeto que vem se fazendo, desde 1995, a cada encontro, a cada produção coletiva de comunicação realizada com crianças, adolescentes e jovens que escolhem, por si mesmos, dele fazer parte.

Coisa mais bonita não há: todos passarinhos, cantores melodiosos por natureza, barulhentos e inquietos quando o tempo está em mudança... Todos, porque nasceram com asas, voam, voam, porque é essa a sua vocação: a liberdade...

Neste programa, as vozes de algumas dessas avezinhas, em especial a de Lívia Lessa Comin Ruiz, na época com 9 anos...