Desdobramentos do Cala-boca já morreu: 3 anininhos do grupo de crianças que começou a se reunir no Glicério


O tempo é a única coisa que passa.
O carinho continua o mesmo, assim como a vontade de estar cada dia mais com esse grupo que aprendi amar de tal forma que não sei nem como explicar.
Fizemos 3 anos de encontros recheado de belezuras de crianças! Ops, mocinhas e um mocinho!
As vezes fico imaginando até quando o tempo vai ser generoso...Por razões particulares não nos encontramos mais regularmente, mas isso não quer dizer que o grupo tenha acabado. Apenas estamos respirando e que logo voltaremos com novas propostas e coisas novas para todos vocês apreciarem.
E mesmo nos encontrando menos, não estamos deixando de produzir algo juntos, pois sai cada COISA nas nossas conversas...cadas coisas (rs...rs)! Quem sabe um dia eu conto todas as coisas.
Felicidades um BEIJÃÃÃOOOOOOOOO
Parabéns para todos nós!
Lúcia

Mariana Kz conclui o curso de audiovisual

Foi com muita alegria que acompanhamos  Mariana Kz, participante do Cala-boca já morreu desde os 10 anos de idade, na sua apresentação do TCC - trabalho de conclusão de curso, para a obtenção do seu certificado de conclusão do curso de audiovisual na ECA/USP.

A apresentação do trabalho "Educomunicação e o impacto da produção coletiva de vídeo sobre seus participantes" você encontra aqui.

Mais um dia de oficina de vídeo no CEU Jaguaré

Sábado, dia 26/02/2011, nos reunimos em mais um dia de oficina no CEU-Jaguaré para conversar, brincar, lanchar, produzir, assistir e comentar o vídeo do próprio grupo.

Estiveram presentes eu, Jefferson, e as crianças José, Bruno, Richelle, Fábio (que participou pela primeira vez da oficina), Gabriel, Felipe e o Dalson, que chegou na segunda parte da oficina.

Depois de conversamos sobre algumas coisas relacionados aos encontros anteriores e mexermos um pouco na câmera de vídeo, perguntei se gostariam de produzir algum vídeo nesse dia. Se sim, sobre o que seria esse vídeo.

Chegaram à conclusão de que gostariam de fazer um vídeo sobre lixo.

Logo depois do roteiro feito, saímos para gravar pelo CEU...

Ao término da gravação, assistimos a produção - etapa importante da metodologia Cala-boca já morreu para produções coletivas na perspectiva da Educomunicação.

Essa parte é sempre muito boa. As conversas mostram as diferenças entre o jeito de produzir na oficina e o modo como as atividades são feitas na escola, por exemplo.

Lembro da fala da menina Richelle, por exemplo, que disse que a nossa Oficina serve como "lição de vida".

Ela consegui perceber, em apenas dois encontros, que trabalhar em grupo é aprender a conviver com as outras pessoas, o que, por si só, realmente é uma lição de vida.

Legal, né?

Abraços e até a próxima!

Jefferson

Visita ao jornal Gazeta de Pinheiros


Na última quarta, dia 2 de março, estive reunido, na condição de diretor de relações instituicionais da ONG Projeto Cala-boca já morreu, com a diretora do jornal Gazeta de Pinheiros, Ana Lúcia Donnini. Participou também da reunião Regina Castello Branco, diretora do CCI – Centro de Convivência do Idoso.

O objetivo do nosso encontro foi apresentar ao Jornal de bairro com 55 anos de existência o Projeto Cala-boca já morreu, contar sua história, o que faz e as pessoas que compõem esse grupo que completa 16 anos em 2011. Em especial, tratamos da nova fase do projeto, que incorporou em suas atividades as do CCI.

Há décadas, o CCI ocupa um imóvel que é patrimônio do município de São Paulo, na Av. Henrique Shaumann, 125, no bairro de Pinheiros, São Paulo. Desde julho de 2010, todavia, quem assumiu a administração da casa – depois de tomadas as providências e encaminhamentos aos orgãos competentes, conforme documentação – foi o Projeto Cala-boca já morreu. Desde então, é nesse endereço que todas as atividades do Projeto estão sendo realizadas, inclusive aquelas que antes eram desenvolvidas pelo CCI, como a Oficina da Memória, o Coral Acalanto e o Carteado.

Nossa reunião foi muito proveitosa, em grande medida graças à atenção e acolhida da senhora Ana Lúcia, que mostrou e colocou à disposição do Projeto os espaços destinados a eventos culturais na sede do jornal, assim como a publicação de uma matéria realizada pelo jornalista Fabrício, que também nos acompanhou durante a reunião.

Não há como não reconhecer a importância dos jornais locais, ou de bairro, de nossa cidade, em particular o Gazeta de Pinheiros que há décadas presta serviços para uma das grandes regiões da metrópole. Também não há como não contar com a valiosa colaboração desse meio de comunicação para o fortalecimento tanto do Projeto Cala-boca já morreu como das demais organizações que atuam no bairro.
Donizete Soares
Relações Institucionais
* Para ler a matéria, acesse aqui