Estamos de mudança!

Sim, o Projeto Cala-boca já morreu está mudando do bairro do Jaguaré para o centro da cidade de São Paulo, mais especificamente, para a Vila Buarque. A sala será dividida com o Instituto Gens. Mais que parceiros, somos companheiros de história.

Estamos na fase de empacota, arruma, suja e limpa para mudarmos para nosso novo endereço. Esse movimento dá muita alegria, muita energia, e a sala nova chega em um momento muito bom.

Rodeados de organizações - como a Oboré, o Intervozes, a ABRAJI, o Instituto Ecoar, o IPSO, o N.Ex.T, o Ponto de Cultura da Vila Buarque,o Pontão Mapas da Rede, o Sindicato dos Jornalistas e a União Brasileira de Escritores - estamos indo para a Rua Rêgo Freitas, 454, 1o. andar, sala 12. Nossa primeira atividade será a realização do curso de Formação em Educomunicação - módulo vídeo (para saber mais: www.educomunicacao.org), que começa na próxima terça-feira, dia 30 de março e vai até o sábado, dia 03 de abril.

Estão todos convidados a conhecer nosso novo espaço e, em breve, divulgaremos a programação de atividades que realizaremos em 2010.
:)
espaço novo, atividades novas!

Uma nova aventura


Fomos assistir à peça Madrid - reminiscência da Guerra Civil, no sábado, dia 20/03/2010, na ECA/USP, eu, Lúcia, e as meninas Mylena, Maryana, Julyana, Ewelyn, Ellen, Laura, Jaqueline e Laúcia.
Marcamos de nos encontrar em minha casa às 5 horas, pois o horário da apresentação era às 20h, mas tínhamos que chegar uma hora mais cedo para pegar ingresso.
Pegamos ônibus no Parque Dº. Pedro II. Rápido, chegamos na Cidade Universitária, mas para minha surpresa, que não sabia que ela era uma cidade tão grande daquele jeito, tivemos que pegar mais um ônibus “de linha”, pois não tem o ônibus circular da USP naquele horário. Ainda tivemos que andar a pé na chamada “rua dos bancos”
Todas já estavam cansadas. Nós não víamos ninguém na rua e eu já estava ficando apavorada. Por isso, até passamos do local e nada de achar a tal sala 23 CAC-ECA-USP.
E eu que pensei que fosse chegar lá e simplesmente dizer “Onde fica o teatro?”
Que nada! Quando perguntamos isso a um segurança, ele nos perguntou?
Qual?
Fiquei perdidinha, pois não tinha levado o endereço...O jeito foi ligar para Isis e me informar.
Quando finalmente encontramos o local, já havia passado 10 minutos do horário de entrada e, além do mais, não tinha mais lugar... Ficamos desesperadas.
– Andar tudo isso e não entrar para assistir a peça?! - disse uma das meninas.
A Laúcia deu uma idéia pra o porteiro:
– Nós sentamos no chão, moço! E a Mylena completou:
– Nós viemos do Centro para não ver a peça?!!!
E todas começaram a falar juntas:
- Ah, não!!!
O rapaz ficou sem jeito e chamou um moço chamado Paulo, que perguntou quem éramos e se todas iriamos entrar. Éramos um grupo grande!
Nós nos apresentamos e ele ficou muito feliz de ser o Cala-boca já morreu.
Ah! A Liz fez parte desse grupo! - disse ele. Vou falar com os atores e ver se é possível nós improvisamos um espaço na frente, no chão, para vocês. Aguardem só um pouco.
Mais que depressa ele veio. Ufa, permitiram que sentássemos no chão! As cadeiras estavam mesmo todas ocupadas.
Fizemos um lanche antes de começar a apresentação.
Cara, a peça começou no meio da cantina!
Um ator entra com uma rosa numa mão e a outra com uma mala. Essa mala estava cheia de areia, o zíper estava um pouco aberto, deixando um rastro de areia por onde passava. A fantasia já começava dali...
As pessoas já começavam a olhar e seguir o ator.
Passamos por um corredor que dava a sensação de estar preso. E os outros atores também já estavam contracenando.
Quem quiser saber mais é só assistir essa peça maravilhosa neste endereço: Sala 23 CAC-ECA-USP, travessa J, Cidade Universitária, Butantã, de 06 a 28 de março de 2010, sábado 20h, domingo 19h30. Só chegue uma hora antes, para garantir o ingresso.
No fim ainda rolou um debate com direito a uma saborosa sangria e um suco de uva que o grupo ofereceu com muito carinho para as pequeninas.
Bem, no fim deu tudo certo.
Agradeço o carinho que o Paulo teve com a gente. Ele, a Liz e a Paula oferecerem carona até a saída da USP, para não voltamos a pé. No trajeto o que não faltou foi conversa.
Obrigada a todos!
No ponto de ônibus ainda ligamos para a Grácia, para dizer o quanto tinha sido gostoso.