OLHA A FEIRA!!!!

Neste domingo a turma do Cala-boca já morreu foi descobrir a feira do Glicério. Fomos Laúcia, Filipe, Maryana, Milena, Madalena, Gilvan, Jaqueline, eu, Fernando e Lúcia (os únicos adultos do grupo).

Nos encontramos logo cedo no qg, a casa da Lúcia. Conversamos sobre a proposta do dia: fazer um vídeo na feira. Mas o que mostrar? O que é que tem na feira? Tem fruta, tem barraca, tem feirante, tem cliente, tem fruta estragada, tem verdura, tem pastel... E o que a gente quer mostrar disso tudo? Resolvemos juntos entrevistar um feirante e clientes e também mostrar imagens da feira.

Descemos todos juntos e gravamos a abertura na frente das barracas. Depois nos dividimos em dois grupos, um ficou de entrevistar um feirante e o outro, um cliente. Combinamos horário e local de reencontro e lá fomos nós!

As imagens registradas mostram o olhar que cada um tem da feira. A Mary deu um close delicioso num pastel que fritava (ai que fome!), a Mylena foi atrás do colorido dos temperos e ervas, o Gringo (o pequeno Gilvan, de cinco anos) registrou seu jeito único de ver as coisas , dançando com o olho, indo de um lado pro outro focando ora as bananas amarelas, ora as bolas coloridas e até um carro laranja que chamou a atenção!

As entrevistas surpreenderam, com áudio muito bom! Falamos com a Priscila, uma vendedora de bananas, com três fregueses e com um vendedor de camarões secos, porque não deu pra segurar a curiosidade!

O dia terminou com uma salada de fruta deliciosa com direito a carambola, mixirica, banana e mamão! Hmmm!!! E também com a exibição das gravações, que foi tão boa quanto o lanche! Todos gostaram muito!

Ficou com vontade de conhecer essa feira também??? Dá uma olhada no vídeo!!!

o dia que ninguem veio


Hoje é domingo dia 07/06/09, nós tínhamos combinado de vir na minha casa para fazer vídeo e aconteceu que só veio eu, mamãe, Grácia, Fernando e o Donizete e mais ninguém. É, isso é uma vergonha, cadê as crianças?.

Depois a Grácia e o Donizete foram embora e o Fernando ficou para ensinar eu e a mamãe a mexer no computador.

Postado por Laúcia

...eles tremiam a câmera muito, como nós, e erravam


Na sexta feira, 29/05/2009, eu (Julyana), a Mylena, a Evelyn Oliveira, a Jaqueline, a Maryana, a Evellyn Ellen, o Gilvan e a Madalena assistimos o vídeo que o CBJM fez há mais de 10 ANOS.

MINHA opinião: eu achei que eles tremiam a câmera muito, como nós, e erravam o texto um pouco.

Depois nós conversamos sobre o vídeo. E depois a Jaqueline tocou um pouco de violão.


Postado por Julyana

24/05/2009 foi um dia todo especial


Como já havíamos combinado no encontro passado, com os nossos visitantes Grácia, Donizete e Sofia, o que iríamos fazer nesse dia, não perdemos tempo e já fomos colocar em prática: saímos para mostrar a Baixada do Glicério para quem não conhecia, para, posteriormente, decidirmos o que seria tratado nos próximos vídeos (ou jornal) do Cala-boca já morreu.

Antes disso, colocamos os papos em dia, definimos o que fazer primeiro e o tempo das tarefas do dia.

Depois do passeio tomamos um lanche, pra gente se preparar para a grande gravação de vídeo sobre a Baixada.

O grupo estava completo, a casa estava cheia e, para as crianças aproveitarem bem o encontro, combinamos que iríamos dividir o grupo em duas partes. Isso porque, os que moram no Glicério (e que se reúnem comigo três vezes por semana), na sexta feira, estavam preocupados. Eles falavam: o grupo é grande! Quem vai pegar a câmera e gravar?

Pensando no que seria colocado na gravação, conversamos bastante no domingo, e decidimos que as meninas que já sabem mexer na câmera, dessa vez, gravariam uma entrevista com um dos moradores da região e os demais fariam parte do outro grupo que, pela primeira vez, iria pegar a câmera de vídeo.

Assim, "quem iria fazer o quê" ficou bem mais fácil de entender. Mylena, Laúcia, Maryana e Juliana, junto comigo, a Grácia e a Mariana Kz, fizeram a entrevista, na varanda de casa. Gringo, as duas Evelin, Jaqueline e Madalena desceram pra rua, com Donizete e Fernando, para aprender a usar a câmera, fazendo imagens da região.

Logo depois do lanche, nosso convidado para fazer a entrevista chegou: o José Luiz, mais conhecido como Zé Luiz.

Um obrigado todo especial a ele que topou e foi paciente com a demora da entrevista e respondeu a todas as perguntas da molecada!

Ele falou de coisas que eu desconhecia, mesmo morando há 9 anos no na Baixada do Glicério.

Como sempre, aproveito muito a conversa da Grácia com as crianças, admiro o jeito dela conduzir o assunto, a Mariana KZ que as pequenas gostam tanto, o Fernando pelo primeiro primeiro trabalho que fizemos juntos (e que sejam o 1° de muitos daqui pra frente), e o grande Donizete que vem dando o maior apoio em geral, contribuindo muito com o grupo.

Caixa Cultura


Nós fomos. Quem nos levou foi o João (o marido da Lúcia)

Chegamos um pouco tarde, assistimos a leitura, com pouco de atenção, mas tá na minha lista das melhores leituras. Essa falava de uma mulher que ja tinha se casado duas veses e tinha uma filha com o segundo casamento e o seu segundo marido era como um irmão. Ela tinha um antigo namoro e ele aparece novamente so que agora ela descobre que ele era 20 anos mas novo que ela. Essa historia passava em Paris na Fraça.

O melhor foi no final que teve um sorteio de duas bolsas e um convite para um almoço. Entre 70 numeros o meu tinha que ser o 50!

Mas, nós da rádio, ganhamos cada um uma bolsa, e voltamos cada uma para sua casa, dessa vez acompanhados pela Lúcia e João.