Vídeo-documentário sobre o fechamento da Rádio Heliópolis

Foi bem assim. Estávamos em pleno Curso de Formação em Educomunicação, atividade regular desenvolvida pelo Instituto GENS de Educação e Cultura e pelo Projeto Projeto Cala-boca já morreu.

Era 5ª feira, 20 de julho de 2006, dia de tratar do tema Rádio Comunitária, e o nosso convidado era o Sérgio Gomes, jornalista e diretor da OBORÉ. No meio de sua palestra, às 11h30, ele foi interrompido para atender a uma ligação urgente. Era a Cristina Cavalcanti, socióloga, responsável pelo relacionamento com as emissoras parceiras do Núcleo de Rádio da OBORÉ, que também é o Escritório Paulista da Associação Mundial das Rádios Comunitárias e Cidadãs - AMARC.

De que se tratava? Do fechamento da Rádio Heliópolis, associada à AMARC, localizada na segunda maior favela da América Latina, com nada menos que 125 mil habitantes. Há 14 anos no ar, soubemos depois que a Heliópolis fazia 7 anos que aguardava licença do Ministério das Comunicações para funcionar.
Sergio pede à Cristina o telefone celular do Geronino Barbosa, diretor da rádio que, a esta altura, já estava quase chegando à sede da Polícia Federal acompanhando os equipamentos apreendidos. Fala com ele, explica que está na sede do " Cala-boca " com mais de 20 comunicadores e educadores e que iria ajudar a multiplicar os contatos com os parceiros, os aliados. E que, como primeiro passo, conversasse um pouco com a Grácia Lopes Lima, diretora do GENS e uma das criadoras do "Cala-boca".

Grácia manifesta imediata solidariedade em nome de todos e que, como primeiro gesto, iria projetar para os alunos o documentário  "A Cidade do Sol nas Ondas do Rádio", produzido pelo Itaú Cultural em 2005. Assim, todos saberiam, concretamente, que tipo de trabalho, que tipo de emissora estava sendo atacada "em nome da lei ".

Começava ali - através do celular do Gerô, da "central telefônica" em que se transfomara a Cristina e Terlânia, dos emails e contatos da equipe da UNAS - das articulações do "Cala-boca" - uma das maiores demonstrações de força da sociedade civil organizada: ligações que viravam mensagens disparadas por e-mails que, por sua vez, eram encaminhadas a outros tantos... Não demorou e uma rede enorme de pessoas e organizações se formou em torno do fechamento da rádio. Foi um show de solidariedade!!!

Pouco depois, chegou a notícia de que um Ato em Defesa da Rádio Heliópolis fora marcado para o sábado seguinte, dia 22 de julho, na quadra da UNAS, em Heliópolis. Foi então que soubemos que o fechamento da Rádio não se dera de forma arbitrária por parte da Polícia Federal e/ou da Anatel: os agentes lá chegaram com mandato judicial e fizeram tudo de acordo com a Lei. Mais tarde, soubemos também que os principais coordenadores da Anatel haviam encontrado uma solução técnica capaz de resolver rapidamente o caso, a esta altura amplamente divulgado. O Senador Eduardo Suplicy já havia telefonado para o próprio Presidente da ANATEL, Dr. Plínio de Aguiar Junior, pedindo uma solução rápida para o caso.

Decidimos, então, fazer um vídeo-documentário sobre esse acontecimento histórico e, no sábado, fomos pra lá, em um ônibus fretado pelo Itaú Cultural, com nossas câmeras de foto e de vídeo, nossos gravadores de mão e com olhos e ouvidos mais que atentos para documentarmos aquele que certamente foi - e continua sendo - um momento precioso na história recente do Brasil.
No dia 25 de julho, terça-feira, finalizamos este vídeo-documentário, com duração de 12 minutos, que tem como título: 20 de julho de 2006 - Fechamento da Rádio Heliópolis.

O vídeo é um registro do Ato que reuniu todas as pessoas que trabalham na Rádio, os moradores da comunidade local, várias organizações solidárias à UNAS, além de políticos, estudantes e representantes da grande imprensa; traz também entrevistas com ouvintes da Rádio e imagens de Heliópolis. Como pretendemos que ele seja educativo, no sentido de que um número maior de pessoas compreenda o que está acontecendo, ele explica e contextualiza momentos da luta pela democratização do Rádio em São Paulo, liderada pelas entidades que compõem a Mesa de Trabalho da AMARC  e compartilhada por inúmeras personalidades e instituições do mundo político, cultural e associativo. Mostramos também a solução imediata, do ponto de vista técnico e jurídico, apresentada pela Anatel.

Dessa forma, esperamos contribuir para a urgente e necessária ampliação do debate nacional sobre os rumos do Rádio, um dos meios de comunicação mais importantes do nosso país.


Para ver o vídeo, clique AQUI:
20 de julho de 2006 - Fechamento da Rádio Heliópolis
Vídeo-documentário, 12´ , São Paulo, SP
Realização:
Projeto Cala-boca já morreu - porque nós também temos o que dizer!
GENS - Serviços Educacionais
Reflexo de TeTo

Donizete Soares
diretor do GENS, co-responsável pelo Projeto Cala-boca já morreu